Delcídio é doido?

DELCÍDIO É DOIDO?

É louco? Zureta? Tantã?

O senador Delcídio é pirado? Doidivanas? Abestalhado?

O homem indicado por Dilma para ser Líder do governo no Senado é insano? Amalucado? Desajuizado? Aloprado? (ops, com essa palavra convém não brincar….)

Delcídio é desmiolado? Ruim das ideias? Habitante da Malucolândia?

É noia, sem-noção, pancado, coió, tonto, avoado…?

Pois esta é agora a pergunta mais importante da República.

Não é de hoje que a sanidade vira peça no jogo político. No começo dos anos 90, circulava a tese de que Pedro Collor, irmão do então presidente, era louco. A intenção, obviamente, era desacreditar seu testemunho contra Fernando e impedir o impeachment. Não deu certo.

O ex-presidente Lula tem sua própria opinião sobre Delcídio. Chamou o comportamento do senador de “coisa de imbecil” e disse que ele foi “idiota” (segundo a Folha, o uso desses termos foi confirmado por dois interlocutores).

Há uma distinção muito importante. Um aluno ‘imbecil’ ou ‘idiota’ pode responder que 2+2 são 5, mas nunca responderá que 2+2 são “Pedro Álvares Cabral”. Ele comete erros, mas ainda atua dentro do contexto. Suas ações têm fundamento.

O que nos leva ao áudio com falas de Delcídio gravado pelo mais novo personagem da Lava Jato, Bernardo Cerveró (em tempo:‪#‎ValeuBernardo‬). Vejamos alguns trechos.

DELCÍDIO: “Agora, Edson e Bernardo, eu acho que nós temos que centrar fogo no STF agora. Eu conversei com o Teori, conversei com o Toffoli, pedi pro Toffoli conversar com o Gilmar, o Michel conversou com o Gilmar também, porque o Michel está muito preocupado com o Zelada, e eu vou conversar com o Gilmar também.”

DELCÍDIO: “Diogo, nós precisamos, nós precisamos marcar isso logo com o Fachin, viu!”
DIOGO: “Hum, hum!”
DELCÍDIO: “Fala com o Tarcísio lá.”
DIOGO: “Tá.”
DELCÍDIO: “Para ver se eu faço uma visita pro Fachin.”

DELCÍDIO: “Aí por exemplo, no caso da Dilma, ele disse: “A Dilma sabia de tudo de Pasadena, ela me cobrava diretamente.” Pá, pá, pá.”

DELCÍDIO: “E tá com o Fachin? Eu tô precisando fazer uma visita pra ele lá hein!”
EDSON: “Essa é a melhor porque acaba a operação.”

Se Delcídio não é maluco, zureta, aloprado (ops), etc. etc., então sabemos que suas ações têm fundamento na realidade. Delcídio não estava delirando quando disse o que disse. Não era uma fantasia que se passava em sua mente — seus interlocutores entendiam o que e do quê ele falava e responderam de acordo.

Delcídio falava como se fosse verdade — e seus interlocutores entendiam como plausível, verossímil e crível — que o líder do governo no Senado negociava a respeito de delações premiadas diretamente com ministros do Supremo Tribunal Federal.

Na manhã de quarta-feira (25.nov.2015), quando Delcídio foi preso, o ministro Dias Toffoli deu uma entrevista coletiva com grande ar de indignação.

Dias Toffoli tem, a respeito de Delcídio, uma opinião diferente daquela de Lula. Toffoli disse: “infelizmente estamos sujeitos a esse tipo de situação, pessoas que vendem ilusões”.

Agora vem o mais importante. A gravação foi feita no dia 4 de novembro. Só vazou três semanas depois.

Para desavisados como eu, o que fica parecendo é que o senador Delcídio falava em privado de coisas que eram perfeitamente plausíveis até o começo do mês, e subitamente ministros do STF vieram a público para dizer que é tudo ilusão.

A Operação Lava Jato já pode pedir música no Fantástico. Até aqui investigava o Congresso e pessoas ligadas ao Planalto. Agora pode completar os endereços na Praça dos Três Poderes.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Exclusivas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s